sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Algum dia de fevereiro

Se me perguntassem, eu diria "escrevo" cartas, não "respondo". Ter o ímpeto de escrever demonstra cuidado com as palavras. O uso de rascunhos, a atenção à caligrafia, ortografia, rasuras e as pausas para a respiração do próximo fazem da carta um produto idealizado unicamente ao meu destinatário - que pode nunca ter reparado nessas regalias.
É difícil planejar sua extensão ou ter estimativas do quão clara ela será... De qualquer forma, se houver algo nas entrelinhas, isso estará protegido dos olhos curiosos, sempre tão leigos.
Concebo neste velho e pouco usado português uma tentativa de valorização para o que nunca se faz e pouco vê. Ria com o bilhete, curta o aviso e a nota, mas ame sua carta. Comunicar-se nos dias atuais por meios tão frívolos pode ser fácil, escrever não.

Atenciosamente,
Remetente.

Ps. Aqui geralmente fica o que você gostaria de ter dito na primeira linha.
Ps.2 Ou algo que tenha esquecido e não pode passar em branco.
Ps. 3 Apesar de "Eu te amo" não precisar de regras de posicionamento ou ser esquecido com facilidade.


Nenhum comentário:

Postar um comentário