sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Não noticiaram o furto das minhas lembranças

Havia um nome, uma referência, um endereço. Havia uma história por trás de tudo que acontecia, um propósito, uma ligação e o mundo girava em torno das coincidências. A medida que o tempo passou, as mensagens subliminares foram ficando opacas, o significado nos desenhos dos olhos desapareceu.
O clima ficou seco, as relações mais distantes, as memórias dispersas entre o poço do amor e do esquecimento. As gavetas do meu cérebro foram tão remexidas que tudo que tinha nome agora se resume à Falta.


Nenhum comentário:

Postar um comentário