segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Versinhos que o amor que vive em mim me fez escrever

Começou de forma sutil, uma florzinha de mato e depois uma sensação. Deixei que a cor invadisse o meu mundo e você a trouxe como nome num buquê fino. O casaco, o esmalte, as maçãs do meu rosto. Em breve até o meu sangue mergulhará nesse mar cor de rosa que o seu amor me meteu. Eu te amo com a inocência de uma menina que sente o perfume da margarida. Te amo como se ama a natureza, do jeito que é, na espera paciente do florescer, admirando sem arrancar, me alimentando com o que tem pra dar. Assim viveremos em harmonia, para sempre.


Nenhum comentário:

Postar um comentário