segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Morena - Los Hermanos


Overdose de Chimarruts

Mente: Ah, cinco em três coisas que você posta são pra ele. Vai parecer que você não pensa em outras coisas! Tanta coisa interessante por aí para escrever. O mundo está passando por mudanças climáticas, o Leonardo DiCaprio ganhou um Oscar, vão lançar um jogo novo do Zelda, Malala vai ganhar um programa na Tv. Ta vendo? O mundo gira e você fica aí, falando dele, poemando pra ele. Não fica de saco cheio de falar dele em todos os textos?
Coração: Não, inclusive esse é pra ele também. 

Enquanto você dorme

Enquanto você dorme eu penso
nos mil chocolates que quero confeccionar para te dar na Páscoa,
Mas a Páscoa é uma só e eu quero fazer mil chocolates.

Enquanto você dorme eu sinto
vontade de pegar o carro e te levar para ver as estrelas na parte rural da cidade,
Mas amanhã você trabalha e eu não sei dirigir (tampouco tenho um carro).

Enquanto você dorme eu vejo
o meu violão e um banquinho que são o par perfeito para uma serenata,
Mas talvez seja muito ridículo acordar o vizinho da frente antes de você.

Enquanto você dorme eu escrevo
uma coisinha sem rima e estilo,
você dorme agora e o importante não são os versos, mas o seu rosto sereno que poderia estar ressoando sobre o meu peito,
é como as outras mil Páscoas, o passeio de carro e a serenata
Hoje eu as imagino enquanto você dorme,
E amanhã tudo vai dormir enquanto eu vivo com você.


Mariana Cunha Dutra





Evocação do Recife - Manuel Bandeira

Recife
Não a Veneza americana
Não a Mauritsstad dos armadores das Índias Ocidentais
Não o Recife dos Mascates
Nem mesmo o Recife que aprendi a amar depois
- Recife das revoluções libertárias
Mas o Recife sem história nem literatura
Recife sem mais nada
Recife da minha infância
A rua da União onde eu brincava de chicote-queimado
e partia as vidraças da casa de dona Aninha Viegas
Totônio Rodrigues era muito velho e botava o pincenê
na ponta do nariz
Depois do jantar as famílias tomavam a calçada com cadeiras
mexericos namoros risadas
A gente brincava no meio da rua
Os meninos gritavam:
Coelho sai!
Não sai!


A distância as vozes macias das meninas politonavam:
Roseira dá-me uma rosa
Craveiro dá-me um botão

(Dessas rosas muita rosa
Terá morrido em botão...)
De repente
nos longos da noite
um sino
Uma pessoa grande dizia:
Fogo em Santo Antônio!
Outra contrariava: São José!
Totônio Rodrigues achava sempre que era são José.
Os homens punham o chapéu saíam fumando
E eu tinha raiva de ser menino porque não podia ir ver o fogo.

Rua da União...
Como eram lindos os montes das ruas da minha infância
Rua do Sol
(Tenho medo que hoje se chame de dr. Fulano de Tal)
Atrás de casa ficava a Rua da Saudade...
...onde se ia fumar escondido
Do lado de lá era o cais da Rua da Aurora...
...onde se ia pescar escondido
Capiberibe
- Capiberibe
Lá longe o sertãozinho de Caxangá
Banheiros de palha
Um dia eu vi uma moça nuinha no banho
Fiquei parado o coração batendo
Ela se riu
Foi o meu primeiro alumbramento
Cheia! As cheias! Barro boi morto árvores destroços redemoinho sumiu
E nos pegões da ponte do trem de ferro
os caboclos destemidos em jangadas de bananeiras

Novenas
Cavalhadas
E eu me deitei no colo da menina e ela começou
a passar a mão nos meus cabelos
Capiberibe
- Capiberibe
Rua da União onde todas as tardes passava a preta das bananas
Com o xale vistoso de pano da Costa
E o vendedor de roletes de cana
O de amendoim
que se chamava midubim e não era torrado era cozido
Me lembro de todos os pregões:
Ovos frescos e baratos
Dez ovos por uma pataca
Foi há muito tempo...
A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros
Vinha da boca do povo na língua errada do povo
Língua certa do povo
Porque ele é que fala gostoso o português do Brasil
Ao passo que nós
O que fazemos
É macaquear
A sintaxe lusíada
A vida com uma porção de coisas que eu não entendia bem
Terras que não sabia onde ficavam
Recife...
Rua da União...
A casa de meu avô...
Nunca pensei que ela acabasse!
Tudo lá parecia impregnado de eternidade
Recife...
Meu avô morto.
Recife morto, Recife bom, Recife brasileiro
como a casa de meu avô.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Para lembrar a sua auto-estima quem é que manda

Like a virgin - Madonna
I wanna dance with somebody - Whitney
It's not right but it's ok - Whitney
Girls just wanna have fun - Cyndi
Shy guy - Diana
You're the best - Tina
Love is a battlefield - Pat

Ou pra uma despedida de solteira.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Pseudônimo

São aquelas almas de letras que me perseguem, gementes. Puxam-me pelo braço, agarram-se às expectativas que têm sobre mim. É nojento, tem muito desespero, pouco amor próprio, e da minha parte, muito medo. Por isso eu visto uma capa invisível e as almas não me vêem mais como a mãe. Elas vão atrás de outro nome que as possa cuidar.

Por causa do destino de Garret

Não preciso ser interessante.
E eu não faço poesia, meu amor,
Eu só escrevo.

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Calma


A idade do céu - Zélia Duncan e Simone

Uma questão de homeopatia

Chegou a hora do teste pra você. O que você vai ser quando crescer? Todos os seus ideais são cobrados em conversas filosóficas, debates, na escolha da sua roupa, do seu corte de cabelo e até na maneira como você se senta.
Parece que você já cresceu, estrela. Cresceu, expandiu sua mente, se transformou e agora está testando a si mesma para saber quanto mais pode avançar, quanto você ainda pode diluir a sua essência.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Bombom

Todas as últimas emoções podem ser revividas de olhos fechados. A escuridão, a música, o toque, o cheiro, o arrepio, a sensação, o sorriso. Eu posso mentalizar o meu olhar preferido... Que é capaz de fazer um céu azul se tornar obsceno, uma neve pura, objeto de desejo e em algumas curvas e rodopios, o melhor dos sonhos eróticos.
O romantismo, o egoísmo, a posse.
O apertar, o estrangular, o prazer.
Eu sinto, eu faço, eu o beijo.



sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Espera

Difícil ficar calada quando sua mente trabalha a mil por hora. É uma ansiedade necessária, essa espera angustiada que prepara o meu corpo delicado para um susto tão grande.
Nós não diríamos "GRAÇAS A DEUS" ao receber a ligação da entrevista de emprego se não tivéssemos pensado nela a cada minuto depois de que alguém disse "Entraremos em contato".
O natal não teria a mesma magia se as luzes piscassem o ano todo. E os aniversários não seriam tão legais se fossem todos os dias. Quanto mais ansiosa eu fico, mais vontade tenho de viver a ligação, as ceias e os parabéns.
Cada coisa no seu tempo. E eu posso dizer que a espera faz 50% da nossa felicidade.


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Da vontade de dançar


Shy guy - Diana King

Ler e Escrever - Capítulo Dois (parte final)

    Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes. Depois enxaguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa, e dão uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota.
    Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso: a palavra foi feita para dizer.

Graciliano Ramos, 2008

Suspiros


Ai, amor...
Quando você tiver uma pequena ideia do quanto eu te amo
Já terei suspirado mil vezes