quarta-feira, 28 de outubro de 2015

A doença da geração 90

Quando eu vejo um campo na televisão morro de vontade de ir correndo pra lá. Meu Deus, me leva, por favor daqui. Só até eu ficar curada do vício. Depois eu volto bem e paro de colocar a responsabilidade nos aplicativos, nos vídeos, nos emails.
Odeio essa agitação desnecessária. Odeio esse sentimento ruim e tão banal de estar online o dia todo e nem por isso perto o suficiente. Odeio a maneira como a minha vida está correndo em mega bytes e não em quilômetros por hora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário