domingo, 27 de dezembro de 2015

Could I have this kiss forever?






Habla - Manuel Carrasco


Habla
no te quedes sin voz
puedes tener la solución
te lo digo a ti, mi voz callada
y quieras dormir puedes gritar
Dentro estallo el corazón
o Fuera no se entera ni Diós
Sentimientos que se van quedando en el silencio derrotados

Yo quiero sentir el alma en mi voz
Decir lo que al viento le conté si en mí se quedó
Sentir que mi sangre rompe los silencios
Cuando son las dudas, las heridas
que no cierra los miedos por dentro

Tengo tantas cosas que dar
el tiempo nunca espera, se va
Para ti de mí con la tristeza acostumbrada de otros tiempos
por que crees sufrir, puedes gritar

Yo quiero sentir el alma en mi voz
Decir lo que al viento le conté si en mí se quedó
Sentir que mi sangre rompe los silencios
Cuando son las dudas, las heridas
que no cierra los miedos por dentro

Por que esperar sin más venir sin afrontar
barriendo escondiendo todo el mal
bajo los suspiros sin sanar

Yo quiero sentir el alma en mi voz
Decir lo que al viento le conté si en mí se quedó
Sentir que mi sangre rompe los silencios
Cuando son las dudas, las heridas
que no cierra los miedos por dentro

Habla, no te quedes sin voz

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Esse biquinho



Porque eu ainda sinto seu cheiro, sua língua, sua mordida, seu jeito encantador de falar besteirinhas no meu ouvido.
Parece que eu consigo desenhar a lápis, tinta ou óleo o brilho dos seus olhos quando eu parava subitamente de te beijar para sorrir.
Parece que os calafrios ainda me sobem pela espinha ao sentir seus dedos nos meandros dos meus cabelos.
Parece que o seu corpo está suspirando nas minhas mãos, ah, meu querido eu queria que as coisas parecessem menos e fossem mais.

Para lembrar de mim

Músicas funcionam como ponte para memórias. Um determinado acontecimento, uma etapa da vida, uma pessoa. Parei e pensei: "Que música eu ouviria e lembraria de mim? Não é só uma questão de gostar do ritmo. É se identificar, sentir uma vibração maluca..."

Algumas músicas me vieram a mente. A vibração está nelas, eu sinto vontade de dançar, de cantar e elas tem o poder de representar a minha humilde figura u.u kkkkkkkk' Fui parar pra ler as letras. São músicas de amor... Mas como diria meu amigo Pessoa, "Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão ama. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?"

1. Fading like a flower - Roxette
"Música da libertação" era assim que eu a chamava ano passado.


2. Here I am - Peggy
É a música que independente do tempo que passou desde que a ouvi pela primeira vez, e de onde veio, vou querer cantar em voz alta.


3. Esqueci qual era a terceira ;-;


segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Reflexos da ira

Deus, é quando o ar falta e o ciúme me abraça que eu mais sinto medo.
Deus, é quando eu quero falar, mas engulo as palavras para que ele não me veja tão louca assim. Deus, é quando ouço uma música agitada e visualizo meus punhos acabando com todos os membros dela... E ela nem tem uma figura formada.
Deus, é quando penso nos corpos se entrelaçando, nas carícias que ele tem para mim em outra pessoa que eu me forço a abrir o olhos.
Deus, é quando fico cega que vejo o quão ruim posso ser.
Não é por amor. Foi porque a força foi derrotada.



Ciúme. Você está fazendo isso da maneira errada.

Farol

Eu poderia estar em qualquer lugar do mundo.
Ainda assim conseguiria sentir sua presença.
Poderia estar em qualquer lugar do mundo.
Assim conseguiria sentir sua presença.
Estar em qualquer lugar do mundo.
Conseguiria sentir sua presença.
Em qualquer lugar do mundo.
Sentir sua presença.


domingo, 20 de dezembro de 2015

Hamburguer caseiro

Receita da Cibele

2kg de carne moída
1/2 pacote de cebolinha desidratada
1 pacote de cebola
1 pacote de alho e salsa
1 pacote de salsa
Grill
2 colheres de sopa de alho pronto (aquele picadinho)
1 colher de chá rasa de pimenta do reino
1 pacote de 3g de orégano
2 pães franceses

Mistura-se os temperos à carne e depois acrescenta-se o pão molhado e ESMIGALHADO.
Então você modela e frita. Pronto. Acabou.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Aninha

Tinha algo em sua respiração que fazia com que a minha parecesse descompassada. Algo no intervalo do piscar dos olhos que a transportava entre um e outro para um pequeno sonho. E quando começava a cantar uma cantiga para o horizonte, o céu ficava com vergonha do amor que sentia por ela e se alaranjava.
Conseguia ser o profundo perfume do campo de lavanda e o suspiro rendido dos apaixonados. Ana é mais perfeita fonte de inspiração para aquele que não acredita na pureza da vida.
Ana é figura feminina que vive no meu imaginário. Simples, inteligente e bela. 

Licença poética

Vai tomar no cu. Licença poética é um nome bonito para liberdade. Eu quero acordar e dormir para viver trilhas sonoras, recitar poemas e cantar os meus encantos, as minhas dores, os meus dramas, meu ciúme.
Vamos lá, palavras, me ajudem. Me deixem ser poeta pra viver mais hoje do que esse tantinho de ontem.

Água

Minha metamorfose vai começar a qualquer momento. Vou fazer parte de você novamente. No chuveiro, na banheira, na piscina, na praia, no meio da rua quando a chuva cair.
Eu vou olhar pra cima e fechar os olhos. 
Quero me unir a você, água. Quero me molhar mais vezes, mergulhar mais vezes. 
Oitenta por cento do meu corpo pede por isso. Se eu fosse boa das matemáticas mentais seria 98% água, 1% sanidade e 1% loucura. 


Hold Close













Máquina do tempo

Ela estava sentada de costas para porta, inclinada sobre um grosso caderno, na escrivaninha, muito concentrada. Muito concentrada. Meu Deus, ela não estava nem ali. As imagens do monitor de televisão estavam embaçadas e eu conseguia identificar o quarto e a menina porque me eram muito familiares.
A data no calendário que estava preso na parede era quase ilegível. E num movimento da cortina, ela olhou pra trás. Pude ver em seus lábios algumas palavras sendo articuladas para o vazio. E logo depois um bocejo, uma coçada de olhos.
Fiz sinal de positivo com a cabeça. Se não fosse agora, talvez eu não tivesse outra oportunidade. Olhei para o medidor de força que coloria com sua luz, o cubículo onde eu estava. Verifiquei se a porta estava corretamente trancada e fechei os olhos.

Eu a assustei. Não esperaria outra reação de quem escuta o barulho de um corpo caindo no chão do seu quarto às duas da manhã. Meu corpo foi transportado trinta centímetros a cima do chão e, é claro, não consegui me equilibrar.
Por um momento ela só olhou abismada, e no seguinte escondeu a boca com a palma da mão. A outra mão soltou o lápis e pousou em cima do peito.
Tive medo de mover a boca numa angulação perigosa e provocar um ataque cardíaco na menina. Falar, naquele momento, a mataria de medo. Calmamente me levantei do chão, livrando-me da posição desconfortável sobre o braço, e mantive as mãos onde ela pudesse ver. Se bem que eu estava de luvas. Eu não poderia vestir nada que ela pudesse identificar, nenhum detalhe. Nenhum brinco, nenhum anel, cordão. Ela não poderia ver minha pele, meus pés, dedos, tatuagens. Nada. Por isso eu vestia blusas de manga, calça, luvas e meias do mesmo tom de cinza.
- Que... - Ela começou - Que tipo de brincadeira é essa?
- Não é brincadeira. - Respondi em tom de voz baixo.
A minha voz também não queria sair. Meu corpo queria começar a tremer, queria colocar a mão sobre o peito, mas tinha que me segurar.
- Eu estou dormindo? Isso é um sonho? - Perguntou apavorada.
- Eu preferia que estivesse. Mas a outra máquina está quebrada...
A expressão de dúvida só cresceu em seu rosto. O que EU ESTAVA PENSANDO? Por que falei aquilo da máquina?
- Você está com medo? - Perguntei a ela tentando dar um passo pra frente.
- Não. - Respondeu com os olhos cheios de lágrimas - Você está?
Ela se levantou do puff e veio até a minha frente.
- Eu estou.
- Por que você está aqui?
- Porque eu preciso te pedir para não parar de escrever.
Ela sorriu. Sorriu com os olhos densos, escuros, encantados. Com meus olhos, os olhos que eu tinha quando acreditava. Ela passou a mão no meu cabelo e desfez o coque.
- Eu nunca imaginei que fosse cortar algum dia.
- Você não sonharia com o que ainda vai acontecer com você.

 Meu tempo acabou e eu desapareci de sua frente, desapareci daquela dimensão. Não havia mais espaço para aquela forma de mim. Eu voltei ao passado e mudei tudo. Agora essa versão vai morrer, com certeza, em alguns segundos. E eu espero que a nova tenha um pouco mais de força para escrever... Porque sem escrever eu não tenho aqueles olhos, nem aquele sorriso, nem um pouquinho daquilo que um dia já fui.


domingo, 13 de dezembro de 2015

שלום

Eu tenho um apreço pelo que é sensillo, pelo que é exquisito, pelo que é raro. Eu não tenho bed, porque me lembra bad, mas tenho vários feelingsAntes do almoço mentalmente repito いただきます, e para pedir desculpas すみません. Nas histórias de contos de fadas, a que tem mais encanto é a princesa piu bella, e entre todos, o ragazzo é aquele - repare - mais vívido.
O que eu estou querendo dizer, lieber freund, não é nenhum discurso de analogias ou estrangeirismo, mas uma leitura de sentimento diante de palavras ou expressões. A felicidade está contida, para mim, na palavra FELIZ assim como saudade não existe em mim em outros idiomas. Eu amo português e amo também me sentir completa em hebraico, espanhol, inglês, japonês, italiano, alemão...

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Na poesia vivem todos os meus sonhos

É nela em que vejo minhas palavras entaladas, as combinações que nem tento fazer, mas que mentalmente se desenham com perfeição.
É com ela que sinto maravilhas dentro do peito um pouco antes de perder o ar e perceber tudo de grande e belo no mundo. Então meus sentidos são levados e eu me sinto mais muda tanto boca quanto nos dedos.
Uma chuva cai tempestuosa e nutre o jardim que em mim vive tentando florescer.
É a prosa que me permite explicar, mas estão nas rimas e no ritmo minha inspiração.

Título da postagem

Eu não tenho nome nem movimento. Sou filha - por sorte - de todos eles.

Princesinha


Você era linda, mas já está na hora de ir embora. A beleza do seu sonho não pode ser meu caminho.

Chegou dezembro

Nesse dia eu fecho os olhos para ficar em silêncio e tentar imaginar um filme do ano que passou. Deus, como pode ser? Dezembro já chegou de novo... Preciso me apresentar de novo.
O mês sempre pareceu tão igual, tão trivial. Sempre o mesmo chester, a mesma árvore, a mesma sensação estranha de que o ano está acabando e eu não fiz nada com meu tempo.
Mas acontece que
Ah.
Já chega né, dezembro?
Chega de reflexões. Desculpe, é o hábito.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Calor latente

Eu quero mais desse calorzinho
Mais desse arrepio
Mais do que... nada
O que você me dá é bom
Lindo
Transborda
e basta.

Frida

Onde não puderes amar, não te demores.

sábado, 28 de novembro de 2015

Mayra com Y

Aulas de Português

Mayra: - *------*
Eu: ZzZZ
Mayra: *--------------*
Eu: zzzZZzzZ
Mayra: *--------------------*
Eu (me engasgo com a própria baba): Oi?! O que aconteceu?!
Mayra: LINGUÍSTICA É LINDO.
Eu: Ah... Então ainda não acabzzZzZZZzzZZZz

Aula de Literatura

Mayra: - zZZzzZZzZzZzz...
Eu: - Caralho, acorda.
Mayra: - Oi? ZzZzzZ
Eu: - Porra, cara. Eu quase gozando aqui e você dormindo. AFFF.

Literatura Brasileira I

Como ele mesmo diz: É impossível que tenha outro Eucanaã nessa faculdade. O que tiver com esse nome lá na xerox é meu.
No primeiro dia de aula eu vi no seu rosto a lembrança de um personagem de filme de aviões. Era um fugitivo... Se lembro-me bem o avião transportava presos e o que você me lembrava era um psicopata pedófilo. Mas, pelo amor de Deus, não se ofenda. Estou falando de características físicas. 
Você só conseguiu me assustar quando abriu a boca e começou a falar. 
Parece que você sabe tanto, professor, que a sua prova é impossível. Parece que nunca vou me sentir segura o suficiente para tirar uma nota a altura da aula que tive simplesmente porque não vou conseguir me expressar com clareza na medida certa para te atingir com o pensamento correto daquela questão.
Ainda assim, obrigada por me mostrar que estou no lugar certo, mesmo sem ter pronunciado uma frase para mim. Mesmo sem nem saber meu nome, mesmo sem me reconhecer no corredor. 
Eu o conheço, professor. Eu sei que quero dar aulas com um pouco de Eucanaã no sotaque. 

Efeito borboleta

É como se eu já tivesse vivido muitas, muitas vidas. Dentro da minha cabeça.
E isso me deixasse velha, cansada e estacionada na seguinte conclusão: "Se a maior parte das coisas que vivo são surpresas, quanto mais eu penso, menos acontecem."
Ou seja, quanto mais tempo eu uso planejando, pensando, mais trabalho estou dando para o destino. Porque ele tem que inventar alternativas diferentes das que eu pensei (não porque ele quer, mas porque o futuro deve ser sempre assim: inesperado).
Os extremos são muito perigosos. Não é uma questão de não pensar, mas pensar com mais moderação.

Queridos filhotes,

Eu estava falando de vocês com a tia Tai há algumas horas. Na conversa eu dizia que já tinha sonhado com vocês, ou pelo menos acho que as crianças que vi nos meus sonhos são vocês. Bem, não importa.
Discutimos seus nomes, suas possíveis personalidades. Foi muito legal! A tia já ama muito vocês e deve providenciar um mínimo de quatro primos para que vocês possam ter muita companhia pra brincar e dividir os times com mais crianças.
Você vão se dar bem, aposto. Mas já vou avisando que eles vão ter mais anticorpos que vocês, então, pelo amor de Deus, não entrem em todas as poças de lama, nem brinquem em TODA terra que eles oferecerem. Eles já estarão acostumados. E eles serão mais velhos porque a Tia Tai é mais velha que eu e está namorando/noiva nesse momento.
Imagino que a tia Tai vai esperar sair da barriga da tia Vanessa e esfregar os primos IMEDIATAMENTE numa bacia com terra (da melhor qualidade) para garantir proteção (e eu sinto muito, mas eu não terei esse tipo de recurso pra vocês).
Antes que eu pareça uma desnaturada com essa coisa da terra, vou avisando que eu leio bastante e pretendo deixá-los sujos por pelo menos uma hora. Calma, ta? Tem um motivo.
A camada de substancias que saíram de mim com vocês é benéfica pra seu sistema imunológico.
Ih. Ta ficando nojento, né? Desculpe. Não era a intenção.
Eu só queria que soubessem que hoje, 28 de novembro de 2015, pensei em vocês como em tantos outros dias.

Discovery Home & Health

Eu estou acostumada a ver programas de vestidos de noivas, estilos, bolos, cup cakes e essas coisas quando começou um programa de encontros/namoro (algo assim). Era uma menina loirinha e um rapaz moreno.
Tudo estava normal até eles começarem a tirar as roupas. Eles ficaram mesmo nus no primeiro encontro porque o nome do programa era Pelados e Apaixonados.
Olhei pra cara da Tai, ela me olhou de volta e eu desatei a rir.
Gente. Pera. É isso mesmo? O rapaz fez tantas poses e os olhos dos participantes não paravam quietos que eu não aguentei. Ri mesmo.
O participantes só tinham que viver aquela experiência. Não tinham obrigação de estar próximos, beijar ou qualquer outra coisa. Até porque eles poderiam conhecer outras pessoas nos outros dias que seguiam o programa.
Mais engraçado foi quando essa mesma menina loirinha foi se encontrar com um rapaz negro, com um estilo hippie. Ele não conseguia se concentrar, ficava excitado o tempo todo e ela estava constrangida.
"Eu não consigo. Mulher pelada me deixa excitado!" - Ele disse com naturalidade.
Então eu ouvi uns barulhos na porta e descobri que já estava vacinada contra a estranheza do programa, mas quem chegasse em casa ia achar qualquer coisa, menos que era normal.
Peguei o controle e parei no primeiro canal científico disponível: Discovery Channel.
Então coloquei uma cara de séria porque eu, supostamente, estava assistindo "Absurdos da Engenharia".
- Claro, que perigoso! Nossa, esse túnel poderia ter caído sobre a cabeça de várias pessoas...


Kissing a Fool

Estava indo para o trabalho ouvindo a Rádio Cidade quando começou a tocar uma música que eu não gostava muito. Resolvi, finalmente, apertar o botão para mudar a estação e encontrei uma estação chamada Atlanta FM.
Estava tocando Phil Collins e logo depois essa música do George Michael. Eu adorei <3 Adorei muito! Me imaginei dançando direitinho... Sem pisar no pé do meu parceiro. Com luzes coloridas e luvinhas *-*

domingo, 22 de novembro de 2015

Mayra com Y

A vós correndo vou, braços sagrados,
Nessa cruz sacrossanta descobertos
Que, para receber-me, estais abertos,
E, por não castigar-me, estais cravados.

A vós, divinos olhos, eclipsados
De tanto sangue e lágrimas abertos,
Pois, para perdoar-me, estais despertos,
E, por não condenar-me, estais fechados.

A vós, pregados pés, por não deixar-me,
A vós, sangue vertido, para ungir-me,
A vós, cabeça baixa, p'ra chamar-me

A vós, lado patente, quero unir me,
A vós, cravos preciosos, quero atar me,
Para ficar unido, atado e firme.

Gregório de Matos.

Estávamos analisando esse poema na aula de Literatura Brasileira I e então, brilhantemente, Mayra entrou no espírito da interpretação e fez uma observação:

- A falta de hífen nos versos finais podem simbolizar a aproximação do autor com a figura de Jesus Cristo na cruz. Você pode observar que nos primeiros versos o hífen está presente, nos dois últimos não.

E o professor:

- Não, pelo amor de Deus. Isso é um erro de digitação. Vamos interpretar poemas, mas vamos com calma.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Monitoria

Estava ensinando profissões para as crianças do sétimo ano quando fiz uma pergunta célebre pra um garotinho:
- E agora? Qual você quer saber?
- Comissário de bordo!
- Com tanta profissão no mundo a primeira que quer saber é logo essa?
E ele respondeu todo feliz:
- Aham! Comissário de bordo!

1:00 a.m.

De nada adianta o tempo passar, a mobília mudar de posição se a cabeça que se deita no travesseiro é a mesma da cama de solteiro.

Sabedoria popular

Estava no táxi voltando da feira esotérica (que a propósito foi muito legal - eu deveria ter feito um post sobre ela) quando o taxista escutou minha conversa com o Lester e perguntou se poderia contar uma experiência.
Eu não me lembro o assunto que estávamos tratando, mas o relato do taxista está na minha mente até agora. Foi assim:
"Quando era garoto eu morava numa cidade de interior. E eu tinha amigos na minha rua, a gente brincava sempre juntos e conhecíamos a família um do outro. Só que eu tinha um amigo que morava numa casa grande, bonita, com a mãe e o padrasto. O padrasto dele não gostava muito de mim não, sabe? Vivia dizendo que a gente ia acabar quebrando o vidro da janela brincando de bola.
Eu fui um dia na casa deles e pedi pra chamar esse meu amigo, sabia que ele estava em casa. O padrasto dele virou pra mim e disse que não estava na hora de brincar, que eu tinha a vida muito mole e deveria me preocupar em trabalhar, fazer a vida. Foi muito grosso.
Saí de lá com muita raiva. E então eu falei assim pro vento: Um dia ainda mato esse velho. E o vento foi lá e contou pra ele.
Não demorou três dias eu voltei pra brincar com meu amigo e o velho me chamou pra falar em particular. Ele disse
-Você tem que aprender a medir suas palavras. Não pode sair por aí dizendo que vai matar as pessoas."

Eu não consegui parar de pensar na frase: "E então eu falei assim pro vento: Um dia ainda mato esse velho. E o vento foi lá e contou pra ele"
Esse taxista seria um perfeito contador de histórias. Eu seria uma que sentaria no chão pra ouvi-lo narrar.

Textos, poemas e coisas

Cada folha de papel será poupada
Cada linha curta
Cada palavra desesperada
Cada esforço
Indispensável para a ferida aberta
Que agora é apenas uma cicatriz histórica
Escrita
Sentida

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

The way you look tonight

A música do Chandler e da Mônica <3


Someday
When I'm awfully low
When the world is cold
I will feel a glow just thinking of you
And the way you look tonight

Yes you're lovely
With your smile so warm
And your cheeks so soft
There is nothing for me but to love you
And the way you look tonight

With each word your tenderness grows
Tearing my fear apart
And that laugh
Wrinkles your nose
Touches my foolish heart

Lovely
Never ever change
Keep that breathless charm
Won't you please arrange it
Cause I love you
Just the way you look tonight

And that laugh
That wrinkles your nose
It touches my foolish heart

Lovely
Don't you ever change
Keep that breathless charm
Won't you please arrange it
Cause I love you
Just the way you look tonight

Hmm...
Hmm...
Just the way you look tonight

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Você sumiu, cara.
Porra, são horas. Horas.
Puta que pariu. Eu não sei se fico mais puta com você ou comigo. Eu já briguei com você mil vezes mentalmente, já discursei três vezes o quanto nós devemos nos preocupar com quem quer nosso bem estar e, por isso, tentar ao máximo manter essa pessoa sã, pelo menos.
Já chorei e te perdoei muitas vezes por ter caído no sono e dormir, acidentalmente, cinco horas seguidas.
Eu já vivi tantos sentimentos nessas poucas horas que estou sentindo raiva de seja lá o que você está fazendo e não me deixa ficar tranquila. Há segundos em que eu penso em tomar banho e me deitar pra dormir e simplesmente esquecer que tudo isso está acontecendo. Mas é impossível, porque algo ruim pode ter acontecido e você pode precisar de ajuda. E na pior das hipóteses, você pode lembrar que eu existo e dizer "Olá, imbecil, eu to vivo, ta? Já pode parar de se preocupar".
É assustador. Espero que nunca tenha que passar por isso, sinceramente. Espero que quando estiver esperando para conversar com alguém, essa pessoa acorde - se estiver dormindo - receba um pingo de sinal no meio do deserto, ou sei lá, qualquer coisa.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Ao estudar matérias de educação:

"cada vez mais, a experiência chega em pequenos fragmentos. Vídeos despejam imagens; telespectadores pulam de canal em canal. As sinfonias tornam-se temas empacotados. A arte se transforma em colagens de ingredientes. Turistas compram cópias de partes de monumentos. As teorias estéticas dissolvem textos amontoados de frases e palavras. Os computadores calculam bytes, os políticos em pequenas e sólidas mordidas. A comida vem em rações processadas em microondas, fornecida através de janelas em mostradores automatizados. Especialistas tratam pequenas partes de doenças, localizadas em corpos-mentes como um todo (Levine, 1997, p.19)"

"Escrever significa para o poeta romper a muralha atrás da qual se esconde alguma coisa que 'sempre esteve lá'" (...) O poeta deve recusar servir verdades conhecidas de antemão. Não importa que essas "supostas de antemão" sejam classificadas como revolucionárias ou dissidentes, cristãs ou atéias - ou quão corretas e apropriadas, nobres e justas sejam ou tenham sido proclamadas. Essas verdades não sou as "coisas ocultas" que o poeta é chamado a desvelar; são antes partes da muralha que é missão do poeta destruir.

Se vivemos apenas no presente, arriscamo-nos a desaparecer juntamente com o presente."(Modernidade Líquida - Zygmunt Bauman)

domingo, 8 de novembro de 2015

Funk

Depois do episódio da minha vó cantando funk, resolvi escutar Claudinho e Buchecha <3
Vou listar os funks que são fofinhos/eu cantava.

  • Conquista - Claudinho e Buchecha
  • Nosso sonho - Claudinho e Buchecha
  • Implacável - Buchecha e Mc Sabrina
  • Tremendo Vacilão - Perlla
  • Totalmente Demais - Perlla


    Acho que acabou '-' 

Mc Sabrina & Bonde do Tigrão

Baby, o que você quiser eu quero
Tudo que você pedir eu dou
Faço tudo pelo seu carinho
Deixa eu te mostrar quem sou

Dói, um tapinha não dói
Um tapinha não dói
Um tapinha não dói
Um tapinha não dói, só um tapinha

Eu estava pronta pra rever a porcentagem do sódio e do açúcar no meu refrigerante pra entender a lógica do meu cérebro de cantar essas duas músicas seguidamente.
Mas então percebi que não vinham da minha cabeça, mas sim do ambiente externo. Era uma voz feminina. Estávamos em casa eu, meu avô, meu irmão e... Minha vó.
ERA ELA. AH, MEU DEUS, ERA A MINHA VÓ.
Pra você que não lembrava desses funks, fuck yeah, a minha vó lembra kkkkkkk'



sábado, 7 de novembro de 2015

Vivemos esperando

O dia em que seremos melhores. Melhores no amor, melhores na dor, melhores em tudo. 


Otimismo



A ideia inicial era postar o gif de uma fonte artificial decorativa porque foi assim que o post veio na minha cabeça durante o banho. Mas não achei um gif decente, logo fui encaminhada para gif de água e gostei desse.
Usando a minha imaginação posso visualizar essas gotas caindo por uma fonte de pedra e bambu. É a perfeita imagem do que é "positivo" na minha cabeça.
Daí o título :)

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Paramore

No, sir, I don't wanna be the blame, not anymore
It's your turn, so take a seat we're settling the final score
And why do we like to hurt so much?
I can't decide, you have made it harder just to go on
And why all the possibilities well, I was wrong
That's what you get when you let your heart win
That's what you get when you let your heart win
I drowned out all my sense with the sound of this beating
And that's what you get when you let your heart win
I wonder, how am I supposed to feel when you're not here?
'Cause I burned every bridge I ever built when you were here
I still try holdin' on to silly things I never learn
Oh, why, all the possibilities I'm sure you've heard?
That's what you get when you let your heart win
That's what you get when you let your heart win
I drowned out all my sense with the sound of this beating
And that's what you get when you let your heart win
Pain, make you way to me, to me
And I'll always be just so inviting
If I ever start to think straight
This heart will start a riot in me
Let's start, start, hey!
Why do we like to hurt so much?
Oh, why do we like to hurt so much?
That's what you get when you let your heart win
That's what you get when you let your heart win
That's what you get when you let your heart win
Now I can't trust myself with anything but this
And that's what you get when you let your heart win

O problema de ter uma auto-estima baixa

Os primeiros sintomas aparecem quando sua taxa de saco cheio se mantém em 60% mesmo que você durma sete horas seguidas. Você pode começar sentindo leves pontadas de inveja nos cabelos alheios e procure urgentemente um tratamento se você já está no nível de querer raspar a cabeça e comprar uma peruca.
A fase inicial é a mais depressiva (na qual você só se culpa por ser feia e pensa que NINGUÉM pode fazer nada pra mudar isso só com amor, carinho e palavras incentivadoras). Então, a menos que você comece a investir PESADO em manicures, escovas de hidratação e 2kg de cera para peles sensíveis, não compre chocolate. Porque aí é foda, você já não está se ajudando e ainda vai se ENTUPIR de gordura hidrogenada?
A fase intermediária (deve ser a que eu estou agora) é aquela em que a dita cuja resolve gastar cada centavo de suas economias - que tinham um objetivo real e grande, devo dizer - em qualquer coisa que melhore sua aparência. No meu caso a minha poupança serve para cinco milhões de fins e não tem dinheiro pra pagar nem um deles. Vou listar, porque vai que eu me arrependo de gastá-la toda em cabelo/unha/depilação.
Ta. Melhor eu listar mentalmente porque só de pular o parágrafo para começar a escrever já me senti idiota. Welcome to the jungle.
E a fase final... Cara. Eu vou acabar fazendo a unha/cabelo/qualquer coisa pra me sentir menos feia do que to sentindo agora.
Enfim. Foda-se. Só eu posso falar de mim... Então... Cala a boca.  

sábado, 31 de outubro de 2015

Paradise City



Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Take me home (oh, won't you, please, take me home?)
Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Take me home (oh, won't you, please, take me home?)

Just an urchin living under the street
I'm a hard case that's tough to beat
I'm your charity case so buy me something to eat
I'll pay you at another time
Take it to the end of the line

Rags to riches or so, they say
You gotta keep pushing for the fortune and fame
You know it's, it's all a gamble when it's just a game
You treat it like a capital crime
Everybody's doing their time

Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Oh, won't you, please, take me home, yeah, yeah?
Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Take me home

Strapped in the chair of the city's gas chamber
Why I'm here, I can't quite remember
The surgeon general says it's hazardous to breathe
I'd have another cigarette, but I can't see
Tell me who ya gonna believe

Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Take me home, yeah, yeah
Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Oh, won't you, please, take me home, yeah?
So far away, so far away
So far away, so far away

Captain America's been torn apart
Now he's a court jester with a broken heart
He said, turn me around and take me back to the start
I must be losing my mind, are you blind?
I've seen it all a million times

Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Take me home, yeah, yeah!
Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Oh, won't you, please, take me home?

Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Take me home, yeah, yeah!
Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Oh, won't you, please, take me home, home

Oh, I want to go, I want to know
Oh, won't you, please, take me home?
I want to see how good it can be
Oh, won't you, please, take me home?

Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Take me home
Take me down to the paradise city
Where the grass is green and the girls are pretty
Oh, won't you, please, take me home?

(x2)
Take me down, take me down
Oh, won't you, please, take me home?
I want to see how good it can be
Oh, won't you, please, take me home?
I want to see how good it can be
Oh, oh, take me home

Sem nome

Amo enquanto posso...
Esqueço quando é preciso...
Acredito que só vale a
pena lutar por aquilo
que vale a pena viver!

Chacoalhar das Alturas

Um dia ainda saio em surto
Pelo mundo gritando
Repelindo meu absurdo
Declarando terra aos imundos
Com pedras ao invés de pernas
E asas ao invés de âncoras...

Voemos...

Joannes Jesus

Onde está minha abóbora?

A história da Cinderela todos já conhecem. A trabalhava, não tinha reconhecimento e ainda vivia num mundo no qual, nem se ela quisesse, poderia conquistar sua liberdade.
Fico imaginando o quão forte ela era por dentro. Não há partes da história em que ela apareça triste, depressiva ou reclamando da vida que tinha. Muito pelo contrário... Ela estava sozinha, cantando, cumprindo suas tarefas a espera de um dia melhor.
Cinderela foi paciente. Dividiu suas tarefas, teve tempo para sua leitura e ousou, quando viu que um sonho batia a sua porta. A escolha de aproveitar o baile, enquanto ele durou, e não se preocupar com nada enquanto dançava com o príncipe fez com que sua companhia fosse ainda mais agradável. Ela não tentou impressionar alguém, ser notada... Nada que não fosse viver aquele momento.
Ela foi forte, paciente e soube ouvir seu coração.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Não tenha medo

Confie.
O papel sempre foi seu amigo. Sempre. Você sempre pôde confiar nele, sempre pôde contar tudo para ele, da maneira que seu coração acha melhor.
Esqueça a faculdade, as críticas, olhos que virão para o papel depois que você terminar de escrever. É uma relação sua com o papel. E os outros já estão com muitas armas apontadas. Por que pendurar a corda?
Ninguém precisa gostar. Ninguém precisa aprovar.
Vá, minha filha, escreva suas histórias.
Só não deixe o papel em branco por mais tanto tempo.

Só um objeto


É só um grande objeto branco.
Um grande objeto que movimenta sua imaginação, sua força.
Só um objeto que testa se você é capaz de chegar até ele.

A doença da geração 90

Quando eu vejo um campo na televisão morro de vontade de ir correndo pra lá. Meu Deus, me leva, por favor daqui. Só até eu ficar curada do vício. Depois eu volto bem e paro de colocar a responsabilidade nos aplicativos, nos vídeos, nos emails.
Odeio essa agitação desnecessária. Odeio esse sentimento ruim e tão banal de estar online o dia todo e nem por isso perto o suficiente. Odeio a maneira como a minha vida está correndo em mega bytes e não em quilômetros por hora.

Conversa de mulher

Não to sendo machista com o título. Para com essa porra. Agora você abre a boca pra falar que uma coisa é que hábito do sexo feminino ou masculino e no segundo seguinte tem um babaca que fala que você é machista ou feminista.
Esses dias eu estava no trabalho e isso aconteceu. O assunto era: Uma menina leiloou a virgindade e um cara pagou muita grana no leilão. A consideração de um colega de trabalho foi:
-"O leilão era de algo que um dia, provavelmente, iria acontecer."
Realmente. Concordei com ele. A probabilidade dessa garota conhecer alguém, ter um relacionamento e por fim, chegar aos fins era bem grande.
Mas. Mas. Chegou um outro colega de trabalho dizendo que a frase dita era absurdamente machista. E seu argumento era:
"Você está afirmando que um dia isso fatalmente iria acontecer. Mas ela não é obrigada a fazer um dia."
Cara. Puta que pariu. Ninguém falou em obrigação. Falamos de PROBABILIDADE.
Daí outra colega de trabalho comentou: Hm. Feminaze.
- Que isso, Deus? É o feminino de Iluminati?
E uma discussão gigante se iniciou por pensamentos "feministas"/"machistas". Porque sempre tem um exagerado de um dos lados que ferra tudo.
Por que é tão difícil as pessoas pararem de tentar criar polêmica? Seria tudo mais fácil se cada um cuidasse da sua vida e desse ao outro o repeito que deseja para si.
Seria TÃO mais fácil.


Dica para bailarinas

Se você vai apresentar um número de dança do ventre (e não tem nenhuma experiência, como eu), siga os passos abaixo de prevenções (que eu to aprendendo na marra):

  • Não se troque em público (por mais que isso possa parecer lógico, há pessoas que ficam tão irritadas porque o banheiro fica lotado que se trocam num cantinho)
  • Sua bolsa precisa ser equipada com milhões de coisas para que você consiga passar pelo passo "Se trocar" sem muitos problemas. Itens:
    1. alfinetes de bebê
    2. prendedor de cabelo
    3. maquiagem
    4. chinelo
    5. brinco extra
    6. pulseiras
  • Depois de se trocar, não fique exposta. Cubra-se com o véu ou com alguma roupa que tampe seu corpo.
  • Depois de se apresentar, volte para o banheiro, e tire de sua bolsa mais alguns itens críticos que vão te ajudar a passar pelo passo "Tornar-se irreconhecível para evitar a vergonha alheia depois da apresentação". Itens:
    7. lenços de bebê para limpar seu belo pezinho
    8. saco plástico ou qualquer coisa que guarde sua roupa DO AVESSO para que não agarre nenhum enfeite no interior da bolsa.

    Acho que por enquanto é só isso. São dicas preciosas! Eu me apresentei duas vezes e para nãoo ficar exposta eu tive que usar um casaco (num dia quente) e por esquecer as havaianas eu tive que ficar perambulando de salto. E voltei com os pés sujos. Então, são úteis. Muito úteis.  

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Porque

Porque assim as músicas românticas não tem culpa,
porque o silêncio fica preenchido com memórias,
porque sentir o corpo trêmulo é sinal de adoração e incredulidade,
porque tem que ser.
Sim.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

No dejes de soñar

Hay una estrella en tu interior
Ya sé que no la puedes ver
Hay tanta luz que se apagó
Ya sé que tu dolor se fue

Y cuéntame, puedes contar
No juzgaré tus pasos
¡Escúchame, te escucharé

Pusiste todo el corazón
Al final todo salió mal
El corazón se equivocó
Pero tu amor era verdad
La realidad puede pesar dentro de ti, amigo

¡Te quiero! ¡Te quiero!
¡Te quiero! ¡Te quiero!
¡No dejes de soñar!
¡No dejes de soñar!
¡No dejes de soñar, amigo!
¡No dejes de soñar!
¡No dejes de soñar!
¡No dejes de soñar, amigo!

Cuando preguntes el porqué
Comienza por pensar en ti
Cuando te olvides otra vez
Empieza por quererte a ti

Y cuéntame, puedes contar
Conmigo a cada paso
¡Escúchame, te escucharé!

Porque la vida tuya es
Y siempre tienes que luchar
Y a veces tienes que perder
Para luego poder ganar
Para sentir, para vivir
Para soñar, ¡amigo!

¡Te quiero! ¡Te quiero!
¡Te quiero! ¡Te quiero!
¡No dejes de soñar!
¡No dejes de soñar!
¡No dejes de soñar, amigo!
¡No dejes de soñar!
¡No dejes de soñar!
¡No dejes de soñar, amigo!
¡Eh tú, no dejes de soñar!
¡No dejes de soñar!
Oh, oh, oh, oh, oh, oh
¡No dejes de soñar!
Oh, oh, oh, oh, oh, oh

O trivial

Eu achei que tinha feito tudo certo, quando tudo era 15% de uma vida e o certo era só um ponto de vista.

Natiruts

Aponta pra fé e rema.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

You Give Me Something - James Morrison



O melhor tempo

Você só percebe que os dias estão passando bem, indo bem, quando se da conta de que o rosto lembra como é não-sorrir e fica sério por uns instantes, só para relaxar os músculos.


Breaking Bad

Dessa vez o ventilador estava desligado, eu não estava tentando fugir de uma briga e eu ia trabalhar sete horas e meia no dia seguinte. Eu não chamo isso de normalidade, mas perto das outras vezes que eu estava vendo série, eu consegui pensar mais nela e em algo relativo do que na inconsistência do espaço.

Era o terceiro episódio e eu já tinha me visto em dois dos personagens principais. Comecei a me fazer perguntas superficiais baseada no "tema" da série e fiquei um dia inteiro sem perceber que meus questionamentos são, quase sempre, muito exagerados e distantes do que está a minha frente.
O personagem principal tem câncer de pulmão e resolve fabricar drogas para conseguir muita grana para... Sei lá... Não deixar o filho e a esposa (grávida) na merda.

Então eu me perguntei: "O que eu faria se soubesse que iria morrer num prazo de... Dois anos?" As respostas foram as mais opostas possíveis, você pode imaginar, entre me formar e parar de estudar, ler ou aceitar todos os spoilers para não 'perder' horas descobrindo o que poderiam ter me contado em alguns minutos.

Hoje, no quarto episódio, eu parei de me perguntar e me coloquei no lugar do personagem.
Eu vou morrer em dois anos. Tem um cara que sabe que eu vendo drogas, sabe que eu matei seu primo e sabe, também, que eu quase o matei.

Minhas opções:
1 - Mato o cara
2 - Solto-o sabendo que ele pode vir atrás de mim e de toda minha família no segundo seguinte.

Esse cara tem um nome, é o Domingo, e tem uma história também. Tem uma família, um passado. Ele começa a conversar comigo, ciente das minhas opções, e tenta me convencer de que, se eu o soltar, ele esquece tudo que aconteceu (incluindo o fato de eu já ter matado seu primo e o deixado em cativeiro, preso pelo pescoço, por alguns dias).

O fato é que eu acreditei no cara. Não sei afirmar se era o que o diretor queria fazer, influenciando todas as pessoas que vissem o episódio a querer soltar e acreditar no cara ou se foi obra só da minha inocência.
Na série, Domingo estava armado esperando que o personagem principal o soltasse para matá-lo logo em seguida, exatamente igual a opção número dois. Isso. Só isso. Essa cena me fez pensar em quantos Domingos vão passar por mim e quantas vezes eu vou saber julgar quem é o sincero e quem vai querer me foder logo em seguida.
Difícil, muito difícil.

Só um p.s.: São duas e nove da manhã, boa noite. To morrendo de sono.


terça-feira, 20 de outubro de 2015

Isso é uma direta:

Por um mundo onde músicas signifiquem apenas músicas.



I have climbed the highest mountains
I have run through the fields
Only to be with you
Only to be with you

I have run I have crawled
I have scaled
These city walls
These city walls
Only to be with you

But I still haven't found
What I'm looking for
But I still haven't found
What I'm looking for

I have kissed honey lips
Felt the healing in her fingertips
It burned like fire
This burning desire

I have spoken with the tongue of angels
I have held the hand of the devil
It was warm in the night
I was cold as a stone

But I still haven't found
What I'm looking for
But I still haven't found
What I'm looking for

I believe in the Kingdom Come
Then all the colors will
Bleed into one
Bleed into one
But, yes, I'm still running

You broke the bonds and you loosed the chains
You carried the cross
And all my shame
All my shame
You know I believe it

But I still haven't found
What I'm looking for
But I still haven't found
What I'm looking for
But I still haven't found
What I'm looking for
But I still haven't found
What I'm looking for

domingo, 18 de outubro de 2015

Diga parte II

Tira essas cinzas dos meus olhos para eu possa ver com mais clareza a face do destino. Não assopre a ferida com sua educação polida. Pare com esse falso moralismo de uma vez e me permita ser um pouco feliz sem a sua presença indesejada na minha vida.
Só saia... Só vá embora, agora.
Como seria possível partir de mim mesma?

Boa sorte, Mari

Foi a única frase que você disse com a real intenção de me ajudar.


quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Só porque sinto saudades



Estou começando a sentir que vou reencontrá-los logo logo. 

O cantinho do amor



Fiquei feliz em ter ouvido suas histórias, em ter feito uma viagem mental ao seu passado e visualizado um garotinho tímido e ao mesmo tempo exibido, emotivo e engraçado. Te imaginei apanhando e ganhando os jogos com aquela felicidade boba estampando a cara.
Eu te vi marginalizando o play, escrevendo músicas com gesso no chão, um perfeito adolescente. Bem... Eu teria achado foda e teria escrito junto naquela época. Rebelde, não?
Ainda tenho muito a descobrir... E isso me deixa muito ansiosa. 

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Almas antigas que habitam novos corpos

Eu estou entrando nessa dança com um passo de cada vez. E enquanto meu corpo se move os pelos se arrepiam e cada sopro levanta meu corpo com leveza.
Eu estou dançando para mim, eu dou voltas no salão e sinto a leveza dos tacos e dos reflexos.
Quero meu vestido leve e minha música. Quero Amira Willighagen e toda pureza de sua voz. Linda criança, eu estou mais feliz com a minha vida por ter te ouvido cantar.


sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Todas as aberturas e encerramentos

Dificilmente eu gosto de todas, absolutamente TODAS as músicas de abertura e encerramento de um anime, mas eu to muito nova pra ficar com uma regra até o fim da vida. Pra isso que servem os ANIMES NOOOOOOOVOS. Maravilindos, coisa mais cuti da vida da Mari <3
Aconteceu com o anime Sword Art Online.


Opções

- Qual é a sua religião?
- A minha?
- É. A sua.
- Eu sigo a religião que prega o amor. 

Domingo

Não sei como começou... Eu acordei com os olhos empapuçados. Queria dormir mais do sono pesado que tinha acordado. A minha cota de sonhos havia sido batida nas últimas semanas, enquanto ia e vinha da faculdade no ônibus, então imagino que seja por isso que nada além do esquecimento passa por mim pela madrugada.
Não parecia que ia abrir o sol de matar, então resolvi vestir uma bermuda (que por via das dúvidas fazia metade do papel de uma calça e uma metade a mais de um short). A professora respondera a mensagem às seis da manhã dizendo que sim. Então há ensaio.
Preparei-me mentalmente para não cometer erros bobos e aproveitar o máximo possível do tempo na casa da Salomé, que, a propósito, é a única que me chama de Jade.
O trânsito me prendeu por uma hora no ônibus até chegar no apartamento dela. (que a propósito, tem piscina, uma GRANDE piscina).

(...)

Bem, hoje já é a primeira sexta-feira depois desse dia. Eu tive que parar de escrever para ajudar na cozinha e acabou que não voltei.
Quase uma semana depois, todos os meus planos para esse domingo estão resumidos a um perfume gostoso, músicas em japonês e muito, muito sonho diante dos meus olhos.
Qualquer hora dessas eu tenho uma overdose e acabo acordando, mas até lá...

sábado, 3 de outubro de 2015

P.S.


Brotherhood

- Fui buscar "essa merda aí" na casa do caralho.

- Se você for dançar no clube da Petrobras, não fala que é a minha irmã.

- Vou vender seu ingresso do Los Hermanos. Não vou ficar de babá.



Você só precisa lembrar que eu não sou de ferro.

domingo, 27 de setembro de 2015

Em outros tempos

Hoje eu gostaria só de agradecer. Obrigada, Deus, por me deixar viver o dia de hoje. Eu experimentei a sensação de um banho frio num dia de calor, o equilíbrio numa corda bamba e o coração acelerado. Muito obrigada, meu Deus, por conseguir perdoar e sentir uma leveza tão grande que os únicos pés que me prendem nesse mundo são os dos objetivos.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Velas trêmulas

Finalmente fiz minha primeira apresentação da dança do ventre. Foi numa academia aqui no Rio... Eu estava tão nervosa, mas tão nervosa que tremi muito, mas graças a Deus, eu estava segurando taças com velas em chamas e as minhas mãos pesaram o suficiente para não ficar aparente o meu nervosismo.
A minha roupa era preta e prata, era comportada, não havia decote, nem o risco de nada aparecer. A maquiagem estava leve em cinza e preto... E fiz cachos nas pontas do cabelo. Muitas pessoas não saíram de seus aparelhos para dar atenção, outras ficaram estáticas observando, filmando ou tirando fotos.
Eu sorri e tentei manter uma expressão suave, não sei se consegui 100% do tempo, mas tentei.
Me senti muito bem, muito feliz por tentar dançar em público, com fogo e com a pancinha de fora, mas deu tudo certo e essa é a melhor parte.
A música era romântica, lenta e tinha um charme que me lembrava a Espanha <3




sábado, 19 de setembro de 2015

O universo na casca de noz

Desculpe, Stephen Hawking, mas eu acho que eu to sacando tudo de teoria do impossível (que tem a chance de 0,00000000000000001% de acontecer) e esse título é completamente perfeito para esta situação:

- Então, Mari, eu preciso ir embora.
- Ta bem. Já está tarde, vou chamar um táxi.
- Ah ta. Eu espero, melhor. Mas... Você sabia que o Pedro trabalha com o pai, que é taxista, atendendo ligações?
- Sério, eu não sabia. Pera, atendeu aqui.

"- Alô? Táxi Confiança, boa noite.
- Boa noite, com quem eu falo?
- Hã... Pedro.

Longa pausa


(Gesticulando para a Tai para o telefone sem proferir sons)
- O NOME DO CARA É PEDRO.

Muitos risos
Daí eu comecei a rir. E a chamei para atender o telefone no meu lugar.

- Ah. Oi. Eu quero um táxi para ***, por favor.
- (ele fala alguma coisa)
- Por um acaso seu sobrenome é **?
- (ele concorda)
- Ah! Oi, dindo. O táxi é pra mim, é a Tai.

De todas as cooperativas do Rio de Janeiro, foi a do Pedro. De todos os atendentes disponíveis para atender o telefone, foi o Pedro. E colocando essa coincidência absurda em números, algorítimos, e binários e essa porra ai, temos a teoria da IMPOSSIBILIDADE.

Obrigada.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Monitoria

(...)

- E tem os poríferos também.
- Qual é a principal característica deles?
- Eles tem buraquinhos para filtrar e tal...
- Melhor que isso. Eles tem poros. Senão seria buraquíferos.

Porque tudo acontece em setembro




Enciclopédia das Cores

Da altura das nuvens, onde vivia, partiu para um lugar igualmente calmo e puro: uma pequena fazenda de algodão cujos pais eram, também, pastores de ovelhas. A menina observava os cordeirinhos aprendendo a andar, a seguir a mãe e a compartilhar com ela mesma o precioso leite que bebiam. Naquele tempo dava para acreditar que além dos ursos, no meio da neve, havia, também, um senhor bonzinho com uma longa barba a preparar presentes para as boas crianças.

Muitas colheitas aconteceram no seu quintal e quando deu por si, já estava mirando os preciosos botões de pérola de seu vestido de noiva. O enxoval das núpcias estava arrumado sobre a cama para depois de seu primeiro banho de espuma. Dito sim ela passou a noite abraçada a seu amado sob a luz de uma brilhante lua cheia e assim uma certa pomba voou em direção aos céus para que novamente Pégasus se unisse a ela na missão de enviar, para o ventre daquela moça, um sonho.


quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Pequeno


Banheiro de ônibus

Você entra. Aí alguém fecha a porta com você lá dentro e fica tudo escuro.
- Raquel. Ta escuro aqui. Se eu tivesse claustrofobia eu já tinha morrido.
- Ah. Verdade. Mas pra acender a luz basta trancar a porta.
Plim. A luz acendeu mesmo. Ai ta né. Você percebe que o sanitário é pequeno e redondo e tem muitos lugares para segurar ao redor do banheiro. Escolhi dois e tentei. Pra quê?
O ônibus nunca fez tantas curvas comigo lá dentro e pra piorar meu xixi não queria sair reto... Ia mais pra esquerda, sei lá como fez isso.
Bem, tudo terminado, hora de lavar a mão. Cadê a água?
- Ah, legal, tem um botão escrito "água".
Aperta e... UHUL, água.
- Agora para sozinho né? Ele deve soltar uma quantidade de água pra lavar a mão e para né...
Não parava.
APERTA O BOTÃO, APERTA O BOTÃO.
Parou. Ufa.
E agora pra sair... Nossa, como a porta é dura. Vou empurrar com o ombro né.
BLAM. Abriu :3

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Um casal de filhos e uma mãe solteira

Ouvir que o filho mais velho, o que tinha sumido, só estava escondido no seu armário. Com medo do que você falaria, com medo de que você olhasse dentro dos olhos dele e visse nele a personificação das brigas com o ex marido.
O filho mais velho sofre um tipo de excomungação que o mais novo nem sonha. Porque quando o mais novo nasce, a mãe já está quase sarada, e suspira. Ela lembra com tristeza, mas sem lágrimas.
O filho mais velho participa da dor enquanto o mais novo tem uma breve noção do que ela é.
O filho mais velho sempre compreende. Porque ele viveu a separação. O que é uma pena... Porque ele não era um motivo. Nunca foi o produto de um problema, mas o resultado de quando o ódio ainda era amor.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Cinematerno (a)

Agora eu não sei se é Cinematerna ou Cinematerno. O que importa é que isso serve para pais e mães com crianças de até dezoito meses. São sessões de cinema exclusivos para eles. Imagino que as diferenças entre as sessões comuns e essas são:


  • Volume mais baixo
  • Público compreensivo com barulhos e chorinhos (já que todos passam pela mesma coisa)
  • Ar condicionado também mais baixo
Acho que as vantagens são essas. Eu achei muito interessante. Se tivesse um bebê iria nessa sessão principalmente pela compreensão das outras pessoas se ele chorasse ou fizesse manha. 


Companheiro

Mais um sonho daqueles que tem praia e parece coisa de vida passada.
Se pudesse, eu começaria com uma letra grande, bonita, trabalhada, como em livros de contos de fadas <3

"No lugar de grama e árvores havia um escravo fugindo de uma fazenda com sua carroça. Em seus pensamentos frases desesperadas se repetiam:
- Eu não deveria ter saído da fazenda. E agora? Vou trabalhar com o que? Eu deveria ter pelo menos trazido o burro. E se eu for o burro?
Então ele puxava a grande carroça com mais vontade. Uma vontade que nunca existiu quando estava dentro do terreno do patrão porque, afinal, ele odiava seu trabalho.
As frases voltaram a se repetir quando uma moça jovem apareceu ao seu lado. Ela o observou e tentou ajudá-lo com algumas palavras:
- Está vendo aquela árvore? Bata forte com essa carroça nela, Vai quebrar e você vai conseguir ser livre.
- Mas e se eu for o burro? - Contestou o homem sem perceber que a frase fazia sentido apenas em sua mente.
Ele caminhou lentamente até a árvore com se não tivesse intenção nenhuma de quebrar seu instrumento.
"Coitado... Ele deve ter um tipo suave de síndrome de Estocolmo." Pensou Ela afastando-se dali em direção a uma praia deserta, pequena e com algumas formações rochosas.

Aguardou de pé repetindo mentalmente seu mantra:
- Logo Ele vai estar aqui... Logo Ele vai estar aqui.
Poucos segundos após sua chegada um homem alto surgiu na curva. Estava vestido elegantemente com um terno, gravata e sapatos engraxados. Assim que avistou a moça ficou parado, talvez perguntando-se se prosseguia ou não. Não parecia ter o menor prazer em tê-La avistado naquela praia, mas também não fazia cara de desgosto. Nem surpreso nem ansioso... Ele estava diante de alguém conhecido, nada além disso.
Ela fez sinal para o homem e disse:
- Logo Ele vai estar aqui.
Então, o Elegante permaneceu imóvel e atrás dele surgiu um rapaz idêntico a ele, mas dez anos mais novo. Exatamente como a Ela o conheceu. O rapaz estava sem camisa, de bermuda, descalço e com o cabelo grande. Quando deparou a imagem de si mesmo mais velho pôs-se confuso.
- O que está acontecendo?
Logo apareceu outra pessoa na praia. Uma mocinha também notoriamente igual a primeira com dez anos a menos.
Agora a soma resultava em quatro corpos ainda que houvesse, realmente, duas pessoas. Suas versões mais jovens eram apenas lembranças do que um dia foram, quando se conheceram. A moça estendeu o braço para si mesma mais jovem e se fundiu a ela numa nuvem de areia.
- Como conseguiu fazer isso? - Perguntou o Elegante.
- Porque eu sabia que vocês viriam.
Sua versão mais nova era mais expressiva e agora estava muito surpreso. Ficou parado e o vento foi carregando seus cabelos, transformando-os em poeira assim como todo seu corpo. E no final do processo, o Elegante ganhou um pequeno brilho nos olhos, como se tivesse recobrado a consciência ou lembrado de algo muito feliz.
Aproximou-se lentamente da moça e a abraçou. Não era sua versão mais nova tomando impulsos, era ele mesmo mais amadurecido, elegante e completamente despreocupado com a onda salgada em seus sapatos caros.
A imagem foi se afastando até se transformar numa foto."

Acordei.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Bienal do Livro

A bienal do livro está chegaaaaando de novo. Já começaram a colocar cartazes aqui por perto da minha casa, nos postes. A data está lá, bem clara: De 3 a 13 de setembro.
Eu fico na dúvida se vou no início para encontrar meus mangás ou se vou no finzinho para pegar as promoções. Gostaria de ir mais de uma vez @-@
Das últimas vezes fui com amigos e eles me ensinaram uma coisa muito importante: pechinchar.
Pedir desconto é tudo de bom. Eles nem sempre dão, mas quando dão é uma ótima surpresa!
A minha lista está ficando cada vez maior... E pensei em guardá-la bem aqui no blog.

Mangás
  • Samurai X (nova edição) #7, 8, 9 e 10
  • Cavaleiros do Zodíaco Lost Canvas # 22 e 25
  • Yugioh coleção completa (só se estiver num bom preço)
Livros 
  • Dom Casmurro
  • Gabriela
  • Clube da Luta
  • Eragon
  • Mistborn
  • A batalha do Apocalipse
  • Filhos do Éden
  • Trono de vidro
  • O nome do vento
  • Eu sou o mensageiro
  • Cisne
  • Príncipe dos Espinhos
  • As luzes de setembro
  • O palácio da meia noite
  • A tragédia de Macbeth
  • Hamlet
  • O vampiro Lestat
  • Rainha dos Condenados
  • A maldição do espelho
  • A mansão Hollow
E óbvio, aqueles livros de autores espanhóis da faculdade. Gabriel García Marques, Borges, Pablo Neruda etc.

Dança do Ventre

Esse projeto saiu do papel em fevereiro (amém). Não sou uma dançarina que se diga OOOH, mas eu estou me esforçando. A primeira apresentação será em outubro num lugar que comporta minimamente duzentas pessoas. Acho que a minha sorte é que dessa vez vou dançar com fogo (onde está a sorte mesmo?) e as luzes estarão um pouco apagadas para que a chama das velas fique bem aparente.
Se bem que em locais fechados (teatros) não pode usar fogo se verdade. Só umas velinhas de plástico com luz neon dentro. Tenho que ver como vai ficar isso... Fogo de verdade não tem comparação.
No geral a dança é legal, mexe tudo dentro da barriga, parece que meus órgãos estão mudando de lugar @-@
A única coisa que pega é o preço da roupa. Nunca imaginei que as dançarinas usassem cinco metros de saia na dança clássica. Porque na tribal isso é mais que comum.
Espera.
Vou explicar.
A dançarina do ventre que todos imaginam é aquele com sutiãzinho e saia comprida, não é? Pois é, ela é a clássica. Há outros estilos como:

  • Gótico: as roupas são pretas e os movimentos aparentam que a dançarina está "quebrada"e a música é o rock.

  • Folclore: os passos são em sua maioria com o pé inteiro no chão, não é necessário fazer meia-ponta como no Clássico. Roupas bem grandes e adornos no corpo todo. 

  • Tribal: Mais adornos ainda e as dançarinas iniciais desse estilo eram mais gordinhas e bastante tatuadas.
Essa é a diva da dança do ventre contemporânea Rachel Brice.

Possivelmente há mais estilos que eu ainda não conheça, sou iniciante no assunto. Mas além dos estilos há também os instrumentos. Já viu alguém dançando com uma cobra? É só um instrumento. Um instrumento que eu não faço tanta questão de usar hehe

Esses dias na aula da Nair (cujo nome artístico é Naiad e ela disse que logo eu vou querer um artístico também e ao que tudo indica vai ser Jade porque eu amo novela <3) eu pensei em criar uma dança com gatos. Não ia ficar bem mais lindo que com cobra?

Continuando. Os instrumentos... São eles:

  • Espada
  • Adaga (ou Punhal)
  • Bastão (ou Bengala)
  • Véu
  • Leque-véu 
  • Taça
  • Castiçal (aquele na cabeça)
  • Cobra
  • Véu duplo 
  • Asa

Alguns desses todo mundo conhece. Os "novos" são:

Leque-véu que é uma contribuição das dançarinas chinesas que aumentaram muito em quantidade e trouxeram esse instrumento.

Asa que é tamanho único (eu já vesti pra ver e fiquei com um medo danado de pisar ou me enrolar muito nela)


Caramba, como o post ta grande :D
Bem, é tudo muito lindo, muito glamuroso e o grande problema é o preço das roupas. Lindeza custa caro. A minha professora faz roupas, cada uma mais linda que a outra diga-se de passagem, e eu conversei com ela sobre pegar alguma emprestada ou se ela poderia alugar pra mim, mas foi tudo pelo ralo. 
Como sou muito baixinha tudo ficou largo onde deveria ficar um pouco mais próximo do corpo e cinco dedos mais longo que eu. Enfim, ela fará uma pra mim. Escolhi o mais simples: preto com renda. Eram os tecidos que ela já tinha em casa e por isso vai sair bem mais barato. 
Para conseguir juntar minha grana e investir nas próximas roupas eu pensei em fazer um acessório para a própria dança para vender para as outras alunas da Nair. 


  Não é lindo? Encontrei alguns tutoriais na internet. Um em grego e alguns americanos (e as moças costumam confeccionar essa peça com o propósito de enfeitar os pés na praia. Até que não é má ideia, sabe? Vou aproveitar algumas delas para levar pra dança).
  O preço seria algo entre 15 e 20 reais. Acho que da pra juntar dinheiro pra uma roupa legal se vender razoavelmente... Eu gosto de preto, mas a próxima roupa vai ser branca ou azul *-*



segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Tudo novo de novo

"O passarinho me contou" é uma iniciativa privada, saudosista, secreta e intransponível. Seja bem vinda de volta, senhora Eu.
É um prazer saber que você voltou.